O que o Mega Drive representou para vocês?

Sim leitores do Blog, nós gostaríamos de saber de vocês, que andam aí pela net e pela vida, o que o Mega Drive, o tão estimado console da SEGA, representou para vocês no passado gamer ou representa agora como o é um ícone, assim como o Super Nintendo, na atual geração?

Nos digam.

Anúncios

4 comentários em “O que o Mega Drive representou para vocês?

  1. Vi Altered Beast pela primeira vez no Arcade, fiquei embasbacado com o design e a música daquela máquina. Neste mesmo dia, um colega de fliperama me falou que existia um console que vinha com aquele jogo. Pirei na hora e fui tentar descobrir que raio de videogame era aquele. Foi tão legal saber que a SEGA tinha lançado um 16 bits! Assim, tomei a decisão de vender o Nintendinho e conseguir “paitrocínio” para o Mega Drive. Eu tinha nesta época uns 13 anos, e o contexto da indústria era o seguinte: o Super Nintendo não tinha sido lançado nos E.U.A. e o Super Famicom ainda estava saindo do forno no oriente.

    Meu ex-vizinho tinha “achado na rua” (segundo as palavras dele) um cartucho e queria vendê-lo. Como já tinha planos de comprar o Genesis fui até a casa dele para ver que game era. Chegando lá com meu pai, percebi que o jogo achado era nada mais nada menos que Sonic, o ouriço recém-lançado pela SEGA que tinha sido considerado o título do ano pela crítica.

    No momento em que vi a arte do cartucho e percebi que era originalzinho, não me aguentei e soltei um grito do tipo BLASTOISE. Meu pai me cutucava para que eu não mostrasse muita felicidade, pois poderia inflacionar a aquisição.

    Negociamos, fizemos um charme do tipo ‘será que funciona’ ou ‘não tem manual nem caixa’ e conseguimos levar a fita por um valor bem baixo.

    Enquanto meu Mega Drive não chegava eu olhava cada detalhe do cartucho todos os dias, tentava memorizar cada canto da arte daquele pedaço de plástico e imaginava como o game seria rodando na minha sala. Abria as revistas de games, lia e relia os reviews. Meu amigo (o mesmo do capítulo 2), não botava fé na aventura do ouriço, mas tudo isso iria mudar depois do dia D.

    Com o dinheiro em caixa, procuramos nos Classificados “Alô Negócios” alguém que trouxesse consoles novos do Paraguai. Encontramos um rapaz e marcamos com ele o encontro num posto de gasolina chamado Copa 70, que ficava em um bairro intermediário entre a minha casa na época e a locadora deste vendedor.

    Ao ver aquela caixa branca e quadriculada escrito Mega Drive SEGA eu quase chorei. Chegamos em casa e ligamos o Sonic; quando vi a primeira fase (Green Hill) meu coração pulou da boca, soltei um tremendo de um palavrão e acabei sendo persuadido pelo meu pai imediatamente. Gráficos lindos, cores vivas, planos de fundo que se mexiam de maneira independente (multi camadas) e muita velocidade, atributos que me deixaram atônito, quase que não acreditando que aquela belezura se passava diante dos meus olhos.

    Com o tempo fui conhecendo outras franquias e me apaixonando por elas, comprei o desejado Altered Beast e me diverti pacas com ele. Futuramente eu ainda teria mais dois aparelhos de 16 bits (a melhor geração na minha opinião): o Super NES e o NEOGEO-CD, mas esta é uma história para capítulos posteriores.

    Características marcantes da época: Assoprar o cartucho quando o console não lia o jogo. Jogatinas com os amigos; multiplayer em Streets of Rage, Golden Axe, Toe Jam & Earl, entre outros. Console War acirrado entre a Nintendo e a SEGA. Aluguel em locadoras (era preciso levantar cedo sábado para conseguir um bom jogo). As locadoras costumavam ter alguns consoles no próprio estabelecimento e cobravam por hora, além de ser possível levar os videogames para casa também a um custo relativamente alto.

    Games preferidos deste aparelho:

    Golden Axe
    Streets of Rage
    Shadow Dancer
    The Revenge of Shinobi
    Toe Jam & Earl
    Phelios
    Sonic
    Ghouls and Ghosts
    Altered Beast
    Lakers versus Celtics (envelheceu mal, mas me diverti bastante com este)
    FIFA (outro que envelheceu mal)
    QuackShot
    Truxton
    Mortal Kombat

  2. Uau, digno de um post em tandrilion? =D

    Pra mim significou amizade! Tenho um amigo que estudou comigo na 2, 5 a 6 série (93, 96 e 97) e quando me mudei de casa e escola, ia na casa dele jogar sonic 2 e conversar sobre animes e coisas assim…
    Só tenho lembranças boas de conversas idiotas que trocamos por causa do VG! hahahaha
    Assim que o Binho terminar de arrumar meu MD (que era dele), vou convidá-lo a ir lá em casa jogar o sonic 2 que era dele! =)

  3. O Mega Drive junto com o Sonic foi o começo da “loucura” que até hoje tenho no sangue, depois de ver um certo comercial da Tec Toy em 1991, com aquele jogo super-rápido. Depois disso, rejeitei qualquer outro modelo de console e passei a desejar o mega Drive e o jogo Sonic de qualquer modo. Apesar de levar longos 41 meses para ganhar o meu (em Dezembro de 1994) depois do comercial e jogatinas em locadoras, pirei o 1º fim de semana com o videogame, sequer dormi naquele momento. Depois de 17 anos, até hoje tenho o “veneno” da SEGA no sangue, e mesmo não tendo o tempo e vontade necessária, mantenho com carinho todas as minhas quinquilharias da época e coisas mais novas, relacionadas ao tão querido Mega Drive e mascote da SEGA, o Sonic!

    Saudações ao pessoal!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s