SEGA e Capcom: a história de uma parceria

Em 1992, a SEGA conseguia aquilo que parecia impossível quatro anos antes: derrotar a Nintendo em solo americano. O sucesso de jogos como Sonic the Hedgehog, Streets of Rage II e os de esporte (Madden, Montana, NHL e afins) não podia ser ignorado. Pra colocar uma cereja nesse bolo, a sua concorrente suava para conseguir vender o recém-lançado – e caro – SNES nos EUA. Graças aos esforços do time de marketing da SEGA, o novo console da rival era percebido como lento e infantil pelo público gamer.

Continuar lendo

SEGA SAMMY: QUE M…. É ESSA?!?!

Isso não e notícia nova: na verdade, já faz tempo desde que a SEGA e a Sammy se fundiram. Porém, pesquisando um pouco mais, descobri fatos grotescos sobre o assunto. A fusão aconteceu em 2004. Nessa época, a SEGA, que já tava mais pra lá do que pra cá, estava vendendo parte de suas ações e muitos interessados apareceram. Um deles foi a Microsoft, que até tentara comprar a Nintendo certa vez, mas ela não teve sorte. Uma outra empresa, até aquele momento desconhecida aqui no Ocidente, acabou adquirindo a SEGA:  a Sammy Golf Entertainment Inc., que apareceu do nada e arrebatou para si a SEGA e mudou o nome das empresas para Sega Sammy Holdings Inc.

Continuar lendo

Stormlord – Ruaisê Fornô Greis

Tempos de locadora nos anos 90…época boa onde  jogos novos dependiam do agrado dos pais ou de dois dias sem comprar lanche. Porém mais que ter a verba, muitas vezes o que influenciava na locação de games semanal era quando os pais não podiam nos acompanhar a locadora e tínhamos que ir sozinhos. E isso limitava o raio de ação, pois eles não queriam que fossemos sequestrados por algum cigano por ter ido mais de 8 quadras longe de casa.

Continuar lendo

Cabeça Velociraptor, pança de Alan Grant!

Um dos jogos que ganhei e perdi horas e horas de minha infância avançando pelas fases foi Jurassic Park, o primeirão do Mega, onde você podia escolher jogar com o Dr. Grant ou com o Velociraptor. Esses personagens, vindos diretamente do filme (e o filme, diga-se de passagem, viciou uma infinidade de crianças em dinossauros), tinha bastante apelo. De modo geral, ambos têm uma boa movimentação e são bem caracterizados. Escolhendo um ou outro, o início, as fases e o final do jogo são diferentes.

Continuar lendo

Meu nome é Pond, James Pond!

Se na época que conheci este jogo já se usasse a expressão “what a f*uck?”, eu teria usado. James Pond foi um dos jogos que minha mãe alugou às cegas para mim em uma sexta feira, para eu passar o final de semana entretida. Não conheci a capa do jogo, porque a capa que vinha da locadora era preta, mas quando coloquei o cartucho no mega e liguei o console, tomei um susto. Que diabos era aquela coisa?

Continuar lendo

Bons jogos que saíram para MS e não tiveram versões para MD.

Apesar do Mega Drive ser melhor que o Master System, por ter 16 bits e o Master ter 8, o antecessor do Mega Drive teve muitos jogos legais e viciantes que infelizmente não saiu para o superior. Nesta matéria vamos conferir esses jogos interessantes que poderiam ter saído. Sejam bem-vindos a mais uma matéria da coluna Master System Converter.

Continuar lendo