Esporte no Mega Drive: Os Grandes Jogos

Visitem o novo site da Comunidade Mega Drive e vejam essa postagem, dentre outras muitas inéditas, por lá:

http://www.comunidademegadrive.com.br

Enquanto shooters obscuros atingem preços que chegam a casa de centenas de reais em sites como o Mercado Livre, os jogos de esporte sofrem com o ostracismo. Todos eles são vendidos por preços irrisórios ou incluídos em lotes para que seus vendedores possam se livrar dessas bombas. Ninguém mais quer entrar nos estádios de 16 bits. De certo modo, é algo compreensível, pois esse é o gênero que mais evolui com o avanço da tecnologia. Quem tem acesso às últimas edições de NBAs e FIFAs para os atuais consoles nem cogita voltar ao velho Mega Drive.

FIFA Soccer '95

Porém, nem tudo é lixo. Esse artigo mostrará quais jogos ainda valem a pena de se ter em uma coleção e “tirar uns contras” com os amigos. Como os títulos esportivos foram um dos principais responsáveis pelo sucesso inicial do Sega Genesis nos Estados Unidos, deve existir algo que valha a pena. Então, vamos lá. Continuar lendo

Como Desert Strike foi criado?

Visitem o novo site da Comunidade Mega Drive e vejam essa postagem, dentre outras muitas inéditas, por lá:

http://www.comunidademegadrive.com.br

Os Estados Unidos tem lutado nesses últimos 8 anos para tentar colocar alguma ordem no caos que se instalou no Iraque desde a invasão em 2003. Bilhões de dólares foram gastos, vários soldados já morreram e, ao que parece, a briga contra as diversas facções e grupos terroristas que atuam nessa área não acabará tão cedo, a despeito da morte de Osama Bin Laden.

Helicóptero Apache sobrevoa o deserto

No Mega Drive, porém, a vida era bem mais fácil. Bastava um helicóptero Apache pilotado por um destemido piloto para colocar ordem em toda a região do Golfo Pérsico. Desert Strike foi revolucionário em 1992, quando foi lançado. Nunca antes, um jogo de guerra para consoles deu tanta liberdade ao jogador, forçando-o a pensar estrategicamente, administrar recursos e completar missões a tempo.

Continuar lendo

De quatro é mais gostoso

Sega Team Player

Se, ao ler esse título, você imaginou qualquer coisa que não fosse uma boa disputa entre quatro jogadores, sugiro que procure a Igreja mais próxima para se confessar. Afinal, sua mente anda bem poluída.

Adaptadores como o Sega Team Player e o Four Way Play permitiam reunir toda a galera para disputar partidas agitadas de jogos como Mega Bomberman ou NBA JAM. Em tempos onde redes locais (LANs) e o multiplayer on-line ainda eram rudimentares e restritos a uma pequena parcela da população, os multitaps permitiam que até 8 pessoas pudessem jogar ao mesmo tempo. Era garantia de horas de diversão – e uma verdadeira “visão do inferno” para quem tivesse de limpar a sala depois: restos de salgadinhos, sorvetes e refrigerantes espalhados sobre o tapete e o sofá. Continuar lendo

A decadência da Tec Toy

Visitem o novo site da Comunidade Mega Drive e vejam essa postagem, dentre outras muitas inéditas, por lá:

http://www.comunidademegadrive.com.br

Houve um tempo em que a Tec Toy era sinônimo de qualidade. Todas as crianças queriam seus brinquedos e videogames. Seus produtos estavam em praticamente todas as listas de Natal e variavam desde o Pense Bem, um jogo eletrônico de perguntas e respostas, até a boneca falante Nádia, que incluía sensores de luz e toque. Isso, claro, sem contar os consoles da SEGA, distribuídos com maestria pela empresa. Quem não tem saudades da seção de videogames das antigas Lojas Americanas, repleta de cartuchos e acessórios para o Master System e o Mega Drive, por exemplo?

Porém, chegou uma hora em que isso começou a mudar. No passado, crianças que tivessem alguma coisa da Tec Toy eram acusadas de ser mimadas e criadas a leite de pera (afinal, eles não eram baratos). De repente, os produtos da empresa passaram a ser vistos como concorrentes de quinquilharias eletrônicas de camelô e de marcas de baixa qualidade como a Dynacom e a Britânia. E, com o foco sempre no Mega Drive, o artigo tratará dessa decadência. Continuar lendo

A SEGA no paredão: a CPI da violência nos jogos de 1993

Vejam essa postagem no novo site da comunidade do Mega Drive:
http://www.comunidademegadrive.com.br/05/sega-na-cpi-da-violencia-dos-jogos/

Quem pensa que a discussão sobre violência nos videogames é recente se engana.  Em 1976, um fliperama chamado Death Race já causava polêmica por seu conteúdo. Porém, nada comparado com o que sofreria a SEGA em 1993. Nesse ano, a fabricante do Mega Drive chegou a ser ouvida numa CPI do Congresso Americano sobre os jogos violentos. Mortal Kombat e Night Trap (SEGA CD) foram os principais bodes expiatórios na época. Porém, essa história é bem mais longa.

Continuar lendo